sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Ralo ou Grilo-toupeira

(Gryllotalpa gryllotalpa) - Linnaeus, 1758

De cor castanha, amarelada por baixo, o grilo-toupeira ou ralo vive debaixo da terra em solos húmidos, em campos bem irrigados e fertilizados e hortas ou em terras alagadas, nas margens de rios ricas em húmus. As galerias que escavam chegam, no Inverno, a atingir profundidades de 50 a 100 cm.  Alimenta-se de larvas e raízes. É um insecto de grande tamanho chegando a atingir cerca de 5 cm de comprimento. As pernas anteriores estão bem adaptadas para a escavação e as traseiras possuem três ou quatro espinhos. Os élitros são curtos, com cerca de metade do comprimento do abdómen.

Após o acasalamento, que ocorre no subsolo,  a fêmea constrói o ninho onde deposita de 100 a 350 ovos, que eclodem num período de 10 a 20 dias. Após a eclosão, as larvas continuam no ninho sob a guarda da progenitora durante 2 a 3 semanas.

Distribui-se por toda a Europa exceptuando a Escandinávia.

Com um ciclo de vida de dois a três anos, passa o primeiro Inverno como juvenil e o segundo e terceiro como adulto.

Os ralos constituem uma  praga que causa danos importantes nas raízes das plantas e em certos caules subterrâneos como rizomas e tubérculos. Estes prejuízos são causados devido ao hábito de escavarem galerias subterrâneas.  Por outro lado, também proporcionam alguns benefícios à agricultura visto que fazem parte da sua dieta alimentar alguns invertebrados que a prejudicam.

Por viverem habitualmente no subsolo  são difíceis de observar, pelo que quando os vemos à superfície significa que existem em abundância.

Hibernam durante os meses frios.


Reino:     Animalia
Filo:        Arthropoda
Classe:    Insecta
Ordem:   Orthoptera
Família:  Gryllotalpidae
Género:  Gryllotalpa
Espécie:  Gryllotalpa gryllotalpa



Imagens captadas na Quinta da Casa Nova, Cortiçadas, Montemor-o-Novo








Enviar um comentário